Gostar Profundamente – Dor e Zanga!!

“À medida que fui crescendo fui vendo a minha mãe a zangar-se para conseguir aquilo que queria, vejo a minha irmã a zangar-se para conseguir aquilo que quer e tenho consciência de mim própria a zangar-me para conseguir o que quero”

 

Isto foi o que uma Mãe Son-Rise Program® partilhou comigo recentemente, numa conversa que estávamos a ter sobre como ela se sentia com a vida dela, o seu filho autista e a relação de casal que tem.

À medida que ela explorava as razões por detrás da sua zanga, apercebeu-se de que era uma forma de parar a dor que sentia. Ela sentia dor pela possibilidade do filho não vir a mudar, de permanecer autista e de ter que o internar numa instituição especializada. Ela procurou mais fundo dentro dela e chegou a perceber que a sua dor provinha de como tinha aprendido a amar e a cuidar, pois a sua dor e a sua tensão eram uma forma de mostrar que amava, de mostrar que cuidava e de mostrar que para ela era importante o que acontecesse ao seu filho. A sua dor era como uma fita condecorativa que usava para mostrar a si mesma e ao mundo o quão profundamente se preocupava e amava o seu filho – e contudo, tudo o que o mundo via era uma pessoa zangada.

Através desta compreensão ela estabeleceu uma ligação dentro de si mesma que nunca tinha feito antes. Ela percebeu de onde provinha a sua zanga e porque é que usava a dor e a infelicidade. A partir deste novo ponto de consciência ela mudou.

Ela agora ia ser amorosa e cuidar sem dor nem zanga. No final do nosso tempo juntos ela disse: “Sinto-me mais leve, hoje compreendi e mudei algo profundo dentro de mim, algo que eu não tinha conseguido fazer há mais de 20 anos.”

Usar a infelicidade (zanga, dor, etc.) para nos mostrar a nós mesmos e ao mundo que nos importamos resulta em não nos sentirmos bem connosco mesmos e, ainda por cima, todo o mundo nos vê como uma pessoa zangada e infeliz.

Da próxima vez que você se zangar ou se sentir frustrado consigo mesmo ou com outra pessoa pergunte-se porquê.
Saiba que pode preocupar-se profundamente e ainda ser amoroso e ser capaz de aceitar.

Amor e sorrisos

William