Estabelecer Limites

DO WILLIAM: Parte da vida de uma criança é aprender que nem sempre se obtém o que se quer. Isto aplica-se tanto a crianças autistas como a crianças neuro-típicas. Para qualquer criança, uma parte principal da sua atenção no dia-a-dia é focada em obter o que quer exatamente quando quer (i.e. comida, bebida, o brinquedo, o computador, um passeio de carro, etc.). Portanto, temos uma criança focada em obter o que quer e nós, pais, a decidirmos o que é que eles podem ter e não ter. Este é um dos papéis que temos como pais – estabelecer limites ao que queremos que o nosso filho tenha ou não tenha.
Como pais, também queremos que os nossos filhos sejam felizes – amamo-los e queremos que eles se sintam bem consigo próprios, connosco, com a situação e com as outras pessoas da sua vida.
Para muitas mães e pais suster estas duas ideias, controlar o que o seu filho pode ou não ter e esperar que ele seja um indivíduo feliz, pode causar um impacto tremendo na eficácia da educação que lhe dá. A forma de suster estas ideias em harmonia é agir calma e descontraidamente quando o seu filho ficar infeliz por não conseguir o que quer. Como pai é nosso dever controlar o que o nosso filho quer ou não – estamos sempre a tentar identificar o que é que acreditamos ser o melhor para ele (por ex., não deixar o meu filho neuro-típico de 9 anos brincar na rua até às dez da noite mesmo que ele queira). Independentemente do que quer que seja, o meu filho irá sempre protestar (chorando, choramingando, ficando triste, fazendo birra, batendo, etc.) por lhe ter sido negado – este facto é inevitável.
A chave para educar eficazmente quando se estabelecem limites é sentirmo-nos à-vontade quando o nosso filho fica infeliz. Lembrem-se de que o vosso filho está a aprender uma lição de vida valiosa – nem sempre conseguimos o que queremos independentemente do quanto choremos, batamos, gritemos, façamos birra. De facto, dar-lhes o que eles querem quando actuam destas formas encorajará estes comportamentos a repetirem-se vezes sem conta.

Quando estabelecerem limites sejam fortes, amem o vosso filho e dêem-lhe espaço (permitam-lhe) para que fique triste e aprenda que nem sempre conseguimos o que queremos mesmo se chorarmos, fizermos birra, etc. Se tiverem um filho mais velho, no espectro do autismo, que bate ou magoa os outros e não tiverem certeza de como aplicar isto – por favor contactem-nos, pois adoraríamos apoiar-vos e ajudar-vos.


http://blog.autismtreatmentcenter.org/2011/04/boundary-setting.html
Autism Treatment Center of America | http://www.autismtreatmentcenter.org/