Porque aconselhamos que NÃO tragam crianças às nossas palestras sobre Autismo?

Já demos Palestras Gratuitas da Vencer Autismo para mais de 10.000 pessoas de norte a sul do país.  Na maior parte das vezes que tivemos crianças, tivemos que convidar os pais no meio da sessão para um deles sair, pois a criança chorava ou fazia barulhos, ou pedia colo, etc.  Sendo um elemento de grande distração para os outros participantes.

Quando aconselhamos a não trazerem crianças, não é por não querer inclui-las.  É para garantir que os participantes aprendam o máximo possível para chegar a casa, à escola, ao consultório… e possam ser de maior utilidade possível para as suas crianças com Autismo.

  • As palestras são especificamente para pais, familiares e profissionais que lidam com Autismo (ou pessoas interessadas sobre o tema que queiram aprofundar mais conhecimentos sobre esta temática).  São gratuitas e têm uma duração mínima de 2 horas mais o tempo de perguntas e respostas.  Nota: ficamos sempre até a última pergunta ser respondida.

  • O conteúdo da palestra é muito prático.  O nosso objectivo é os participantes aprenderem como ajudar de forma mais eficaz as suas crianças e como lidar com situações típicas neste contexto.  O conteúdo da palestra não é dirigido a crianças (não conheço nenhuma criança que explique passo a passo aos pais/profissionais o que devem fazer para as ajudar a se acalmar, para controlar as birras,  etc.).

  • Queremos que os participantes possam absorver o máximo possível da palestra. Assim, tentamos reduzir ao máximo qualquer distração que possa decorrer durante a mesma (basta uma pessoa entrar tarde na sala para as pessoas se distraírem do que está a ser falado em palco).  Uma criança que começa a ficar irrequieta distrai não só os outros participantes, mas também o próprio responsável pela criança.

  • Devido ao facto de queremos que os participantes possam absorver o máximo da sessão quanto possível, achamos que um pai que leva a sua criança dificilmente se vai poder concentrar no conteúdo da palestra.  Todos sabemos que a maior parte das crianças têm dificuldade em ficar sentadas durante mais de 2 horas num lugar onde não existe estímulo nenhum que seja motivador para elas.

  • Sempre que organizamos um evento, temos em atenção cada detalhe:  Só damos palestras em auditórios que têm sistema profissional de vídeo e som, esforçamos-nos em fazer uma divulgação que chegue a todas as pessoas que convivem com o desafio do Autismo, chegamos sempre 2 horas antes da palestra para garantir que tudo funciona na perfeição para que a experiência para todos seja a melhor possível, etc.

  • Da mesma forma que convidamos uma criança que faz barulho a sair da sala para não distrair o grupo, temos a atenção de não permitir barulho no corredor fora do auditório, pedimos para todos desligarem o som dos telemóveis no início da palestra, tentamos ter o número máximo possível de voluntários para ter um check-in o mais fluído possível…

  • Nós somos a favor da inclusão das crianças (com e sem autismo) na sociedade, mas não devemos confundir o nosso desejo de uma sociedade justa e com igualdade de oportunidades para todos com uma inclusão em um contexto que não faz sentido.

Levaria o seu filho para uma entrevista de trabalho? Levaria para uma reunião importante de trabalho Existem outras iniciativas da Vencer Autismo adequadas às crianças, por exemplo o campo de férias, em que, não proibimos, mas também não aconselhamos a participação dos pais.  E por isso seriamos “não inclusivos” dos pais?

Nota final: Em nenhum momento proibimos aos participantes levarem as suas crianças. Aconselhamos, alertando assim para os pais serem conscientes – bem antes de irem à palestra – que no caso da sua criança interromper a sessão de forma a distrair os participantes, iremos pedir para sair da sala.  Acreditamos sinceramente que não traz vantagens ter uma criança numa das nossas palestras, porque nem é motivador para as crianças nem permite os pais absorver a informação que pode ser determinante na ajuda do dia a dia com os seus filhos.