Compreender A Diferença Entre Birras & Crises

As birras e as crises são difíceis de compreender, de prevenir e aparentemente impossíveis de lidar com elas quando surgem.

As birras e as crises podem parecer semelhantes à primeira vista, especialmente quando o seu filho está a ter uma, mas na verdade são muito diferentes entre si. Isto é particularmente verdade nos casos em que as crianças têm problemas de processamento sensorial, como as que têm autismo, ou falta de autocontrolo. Saber a diferença entre uma birra e uma crise pode ajudá-lo a responder de forma solidária e com sentido.

Birras

Uma criança pode fazer uma birra quando tenta obter algo. Um miúdo pode fazer uma cena quando não pode jogar um jogo, por exemplo, ou pode gritar e espernear para conseguir atenção. Não obstante este comportamento ser aparentemente inapropriado, a criança faz uma birra por uma razão e tem algum controlo sobre ela. Pode parar o tempo necessário para garantir que alguém está a olhar para ela e voltar à birra assim que for o centro das atenções. As birras tipicamente param quando a criança consegue o que quer ou quando se apercebe que não irá conseguir o que quer agindo desta forma.

Crises

Uma criança pode ter uma crise se se sentir assoberbada (ou esmagada). As crises são normalmente resultado de uma sobrecarga sensorial, quando o que acontece é simplesmente haver informação em demasia para ser processada pelo cérebro da criança. Para algumas das crianças, uma parque de diversões pode produzir informação sensorial, incluindo cenários, sons e cheiros, mais depressa do que a criança consegue processá-la. Para outras crianças, a perspectiva de ter que tomar um grande número de decisões pode provocar uma crise. Para estas crianças, algo tão simples quanto experimentar novas roupas para levar para a escola ou fazer um teste importante pode causar uma crise. Muitos especialistas acham que as crises são resultado da resposta ao perigo “lutar ou fugir”.

Diferenças entre Birras e Crises

A principal diferença entre birras e crises está no facto das birras terem um propósito e as crises serem o resultado de sobrecarga sensorial. Uma birra normalmente parará assim que a criança conseguir o que quer, alterar a sua táctica ou quando respondemos de forma diferente daquela que costumamos usar. Uma crise normalmente continuará mesmo após ter conseguido o que queria porque, em muitos casos, a criança nem sabe o que quer. As crises tipicamente terminam de uma destas formas: a criança fica esgotada, encontra um ambiente sossegado com menos informação sensorial, ou nós respondemos de forma diferente à habitual.

Lidar com Birras e Crises

Birras e crises são diferentes, mas sugerimos que use uma abordagem semelhante com cada uma delas. Para lidar com uma birra, reconheça os desejos do seu filho sem ceder a eles. “Compreendo que queres mais fruta. Vais poder comê-la ao jantar”. Depois ajude-o a usar uma forma de comunicar-se mais útil para conseguir o que quer. “Quando tiveres acabado de gritar e conseguires falar calmamente, diz-me que tipo de fruta vais querer para sobremesa”. Para lidar com uma crise, ajude o seu filho a encontrar um sítio sossegado para se acalmar. Uma ambiente calmo da ao cérebro do seu filho a oportunidade de ter um momento para processar a informação sensorial. O playroom do The Son-Rise Program® é especificamente montado para cuidar do seu filho quer ele esteja a ter uma birra ou uma crise. Convide-o a vir para um lugar sossegado. Sente-se calmamente com o seu filho e seja apenas uma presença tranquilizadora. O objectivo final é reduzir a quantidade de informação recebida pelo seu filho. Quase todas as crianças fazem birras e muitas delas, especialmente as que têm questões de processamento sensorial, têm crises. Conhecer a diferença entre estes dois comportamentos e saber como lhes responder, pode ajudar os vossos filhos a ultrapassar birras e crises.

Raun Kaufman