Quem deveria diagnosticar pessoas com autismo?

Parece que toda a gente, incluindo a senhora no supermercado, consegue identificar uma pessoa com autismo quando a vê. Mas, obviamente, não é assim tão simples. Autismo não é apenas uma questão de personalidade e interesses pessoais, para além de que nem toda a gente que prefere a solidão e bandas desenhadas tem autismo. Na verdade, autismo é uma perturbação do desenvolvimento complexa e o seu diagnóstico requere testes, avaliação e compreensão profunda da perturbação.

Porque é que o seu pediatra pode não ser capaz de ajudar no diagnóstico de autismo

Em teoria, o seu pediatra devia conseguir identificar certos comportamentos que sugerem autismo. Porém, frequentemente, o pediatra vê o seu filho apenas uma vez por ano para consultas de rotina ou durante circunstâncias complicadas, quando o seu filho está doente. Apesar de, atualmente, se verificar bastante consciencialização e sensibilização para o autismo, os pediatras podem, mesmo assim, não ser capazes de identificar atrasos no desenvolvimento. Além disso, os pediatras sabem que crianças mais novas se desenvolvem a velocidades e de formas bastante variadas, devido a diversos fatores. A maioria das crianças acaba por alcançar o nível de desenvolvimento típico para a sua idade, pelo que muitos pediatras optam por um método conservador, “esperando para ver” como o desenvolvimento da criança progride.

Caso leve o seu filho ao pediatra e o médico esteja certo de que não há motivo para preocupação, pode decidir concordar com ele. O pediatra pode estar 100% correto.

Porém, se continuar a ter preocupações, deverá considerar pedir ao seu pediatra para o dirigir a um especialista em autismo. O melhor que poderá acontecer é o especialista não encontrar qualquer problema. O pior seria o médico diagnosticar o seu filho com autismo, o que significa que poderá começar a delinear intervenções, provocando uma diferença positiva na criança.

O que é um “especialista em autismo”?

Antes de 1994, autismo era considerada uma perturbação rara. Atualmente, é relativamente comum, devido a alterações na consciencialização em relação ao assunto e aos critérios de diagnóstico (entre outros fatores). Porém, ainda há relativamente poucos profissionais médicos que são treinados especificamente para diagnosticar e/ou intervir em autismo. Como resultado, as pessoas que estão mais bem qualificadas para diagnosticar crianças com autismo são os profissionais que têm a maior experiência nesta área e estes podem ter diversos títulos. Entre estes, incluem-se:

  • Pediatra de desenvolvimento
  • Pediatra neurologista
  • Psicólogo infantil
  • Psiquiatra infantil

Para além destes profissionais médicos, há muitos terapeutas que podem participar numa avaliação multidisciplinar do seu filho. Apesar de estas pessoas não serem medicamente formadas, elas podem saber tanto ou mais sobre autismo que um médico altamente formado, já que elas passam muito tempo com pessoas no espetro. Estes indivíduos podem incluir:

  • Terapeuta de fala
  • Terapeuta ocupacional
  • Fisioterapeuta
  • Assistente social

Como o autismo é diagnosticado

Não existe um teste médico específico para autismo, para além de que há muitas perturbações semelhantes a esta (perturbação do  processamento sensorial, apraxia do discurso e TDAH – transtorno de défice de atenção e hiperatividade – são apenas alguns exemplos).  Como resultado, o diagnóstico é baseado numa combinação de entrevistas parentais, testes não-médicos, observação e julgamento profissional. Avaliadores analisarão a fase de desenvolvimento, aquisição de linguagem, capacidades de imitação e capacidades cognitivas do seu filho. Desta forma, a experiência, tal como a formação, pode ser crítica para providenciar um diagnóstico significativo.

Quem deveria diagnosticar o seu filho?

Com tantas opções possíveis, quem é a pessoa certa para diagnosticar o seu filho? A resposta depende, em grande parte, de quem está disponível. Dependendo de onde vive, pode ter dificuldade em visitar um pediatra de desenvolvimento, enquanto que consegue mais facilmente encontrar um psicólogo infantil experiente. Apesar de poder estar, possivelmente, mais impressionado com as credenciais do pediatra de desenvolvimento, poderá decidir que a espera não valerá a pena. Se o seu filho tem realmente autismo, quanto mais cedo existir uma intervenção e quanto mais cedo a criança começar a terapia, melhores serão os resultados esperados.

Encontrar a pessoa certa para diagnosticar autismo

A pessoa ou grupo certo para diagnosticar o seu filho será formada, experiente, economicamente acessível e disponível na sua região. Para encontrar essa pessoa (ou grupo):

  • Comece com o seu pediatra. Ele ou ela pode indicá-lo a pessoa certa e até ajudá-lo a marcar uma consulta.
  • Comunique com outros pais. Grupos de apoio locais são bons recursos de informação para profissionais competentes.
  • Procure na Internet. Se não vive numa cidade grande, pode encontrar bons recursos que não encontrará nas suas fontes próximas.
  • Faça o seu trabalho de casa. Descubra os especialistas recomendados para se certificar que eles realmente têm as credenciais e experiência que procura.

 

Traduzido por: Sofia Dias

Fonte: https://goo.gl/o1jKo9