Quando procurar um diagnóstico de Autismo?

O seu bebé ou a sua criança que está no infantário está a desenvolver-se de forma diferente. O seu discurso está atrasado, ela tem alguns comportamentos peculiares e ela adora fazer as mesmas coisas repetidamente. Ela não gosta de barulhos altos e tem dificuldade em interagir com crianças da mesma idade.

Terá autismo? A resposta é, talvez.

Será agora a melhor altura para pedir uma avaliação de um pediatra ou uma equipa multidisciplinar que pode, potencialmente, levar à imposição da palavra autismo no seu filho para o resto da sua vida?

A resposta para essa questão depende de um grande número de fatores.

Quantos anos tem o seu filho?

Crianças normais desenvolvem-se a ritmos diferentes. O facto de a criança do seu vizinho ser precoce não quer dizer que a sua criança está atrasada! Confira cuidadosamente para ter a certeza de que o que pensa serem atrasos não são simples variantes de desenvolvimento.

O quão significantes são os sintomas da sua criança?

O diagnóstico do autismo não é feito de forma leviana. Os sintomas de uma criança devem prejudicar significativamente a capacidade de ela comunicar, de participar em atividades normais e de se conectar socialmente. Normalmente, as sérias preocupações sobre o desenvolvimento de uma criança surgem tanto por parte das observações dos pais, como dos professores, médicos, família afastada e outros que vêm problemas significantes.

Pessoalmente, como é que se sente em relação ao rótulo?

Alguns pais sentem que rotular os seus filhos de autistas é problemático e preocupam-se que este rótulo possa causar mais problemas do que benefícios. Estes pais podem acreditar que um rótulo patologiza diferenças que são simples traços de personalidade e desejam ainda evitar rótulos enquanto for possível. Outros pais acreditam que um rótulo é uma ferramenta útil para o entendimento, para lidar com e para procurar apoio. Ao dar nomes às ‘’diferenças’’, eles acreditam que podem seguir em frente e providenciar aos seus filhos com apoios úteis, tratamentos e oportunidades.

Existem benefícios de um diagnóstico de Autismo?

Dependendo de onde vive, o diagnóstico de espectro do Autismo pode ser a melhor forma para receber serviços e tratamentos necessários para a sua criança. Nalgumas áreas, no entanto, o diagnóstico pode recorrer a poucos recursos estatais ou locais. (neste caso o estatal não se aplica a portugal) Algumas seguradoras providenciam fundos para crianças apenas quando o autismo lhes é diagnosticado, outras providenciam serviços independentemente do que for diagnosticado.

Pode aceder aos mesmos apoios e serviços com ou sem o diagnóstico?

Muitos dos tratamentos que são normalmente oferecidos a crianças com autismo podem ser acedidos sem o diagnóstico – caso tenha o tempo, dinheiro e desejo. Por exemplo, é perfeitamente possível contratar um terapeuta de comportamento ou desenvolvimento, é também possível que você aprenda a disponibilizar uma variedade de terapias. Outras terapias de desenvolvimento são normalmente providenciadas pelos pais com ou sem apoio. Terapias ocupacionais, da fala e físicas podem ser prescritas pelo seu pediatra com base em preocupações específicas que não se elevem ao nível de total do espectro do diagnóstico de Autismo.

Como é que as suas escolas locais e / ou programas de intervenção antecipada tratam as ‘’diferenças’ vs diagnósticos?

Em teoria, os distritos escolares deviam providenciar a pré-escola e suportes escolares para ensinar crianças com base nas suas necessidades e não nos seus diagnósticos. Na prática, contudo, esta aproximação é quase impossível de realizar. Se tiver um grupo de crianças da mesma idade com um espetro de diagnóstico de autismo, faz sentido contratar um professor com experiência e treinos específicos para crianças com autismo. Se a sua criança pudesse beneficiar dessa turma, mas não tivesse o diagnóstico de Autismo, o seu distrito aprovaria a inserção da sua criança nessa situação?

Traduzido por: Beatriz Sousa

Fonte: https://goo.gl/96bRmo