Criar e sustentar as  interações com a sua criança para ajudá-la a desenvolver as suas competências sociais

O autismo é uma perturbação que afeta as relações sociais. Criar e sustentar interações com a sua criança é um fator imprescindível para a ajudar a desenvolver as suas competências sociais.

O que é uma interação? Uma interação pode ser qualquer coisa, desde fazer cócegas até jogar um jogo de tabuleiro, cantar uma música, conversar, ler uma história em conjunto, …

O fator determinante de uma interação não é a atividade em si, mas sim a maneira com que a sua criança se comporta durante esta atividade. Ela está a olharpara si, a falar consigo, com atenção no que está a acontecer, está envolvido e a participar da atividade? Pode ser uma das opções acima ou uma mistura delas.

As nossas crianças possuem uma grande capacidade de se fecharem e pode até parecer que eles estão a brincar conosco, quando, na verdade, eles não estão. Portanto, para determinar se a criança está ou não a interagir, precisamos olhar novamente para a sua linguagem corporal. Se a criança nos estiver a excluir, a olhar através de nós e nós para nós, a falar constantemente ou ou a balbulciar por cima de nós enquanto celebramos e jogamos, se a criança está concentrada num objeto em particular ao invés de prestar atenção em nós (por exemplo, está a brincar com um balão, a alinhar as peças do jogo de tabuleiro, a virar as páginas do livro antes nós termos a oportunidade de ler a próxima página, etc), então isto não é uma interação.

Agora, a interação propriamente dita pode também variar na maneira que a criança nos observa. A criança pode estar do outro canto da sala, a observar e com atenção, enquanto fazemos algo engraçado ou enquanto estamos a brincar com algum objeto. Se eles repararam em nós e nos estiverem a observar, então já pode ser considerada uma interação. Outros exemplos de interações incluem um maior envolvimento (por exemplo, a criança começa a rir do que estamos a fazer, vem ter connosco, faz algum comentário sobre o que estamos a fazer ou simplesmente participa), novamente, poderia ser uma destas ações ou uma mistura delas.

Podemos ter interações com a nossa criança que param e recomeçam, param e recomeçam. Isto pode acontecer da seguinte forma: a criança esta atenta a nós durante algum tempo, depois distrai-se, e volta a prestar atenção sempre que a chamamos para algo, nem que seja só para nos observar enquanto tentamos captar a atenção deles (por exemplo enchermos um balão e fazermos brincadeiras com o mesmo) ou para se envolverem mais connosco (por exemplo, a criança pega num balão e depois traz de volta para nós continuarmos a encher para ela). Quando este é o caso, é necessário desenvolver a capacidade da criança prolongar o tempo de atenção e interação aumentando o tempo que ela passa realmente envolvida na atividade.

Leia a dica #1 (mais em baixo) se este for o caso da sua criança…

Em outros casos, a criança precisa de ajuda para aprofundar a qualidade e o tempo da interação uma vez que esta mais envolvida nela.

Isto é algo que deveria trabalhar com uma criança que demonstra um certo interesse no que está a oferecer, mas uma parte dela também está ocupada fazendo outra coisa, talvez a segurar ou a olhar para um objeto, a olhar para o “nada”, balbuciando ou a falar constantemente por cima de si durante a brincadeira. Se isto soa como a sua criança, então a qualidade da interação e o aprofundamento do nível de conexão durante a atividade é o que precisa ser trabalhado. Leia a dica #2 se este é o seu caso.

Algumas crianças também demonstram dificuldade em focar numa só atividade por muito tempo, mudando de uma atividade para outra, depois outra, depois outra. Portanto, apesar de não serem exclusivos, mas estarem conectados a consigo, eles param a brincadeira atual para passar logo para outro (ex: de cantar para fazer cócegas, para desenhar, para ler, tudo em apenas alguns poucos minutos). Se a sua criança se comporta desta maneira, mantê-la focada em apenas um jogo/atividade é o que é necessário ser trabalhado e para isto pode usar a dica #3.

Aqui estão algumas dicas que o ajudarão a focar na principal dificuldade da sua criança:

Dica #1: Entender o intervalo de atenção durante uma interação

  • Construir, construir, construir! Dê a ela várias coisas que ela gosta e se sente motivada antes de pedir para ela fazer qualquer coisa. Lembre-se: o simples fato dela o observar por mais tempo já é um avanço para ela! Se ela está a gostar de o ouvir cantar, cante duas músicas de uma forma divertido e interessante, ao invés de cantar por apenas alguns segundos e então pedir para que ela cante consigo.
  • Chame-a de volta à brincadeira de uma maneira lúdica quando ela decide ir embora. (por exemplo “Hey, onde vais tu? Vou-te fazer cócegas!”).
  • Junte-se à sua criança assim que ela demonstrar interesse exclusivo em si mesma! Algumas vezes as nossas crianças precisam de pausas frequentes durante a interação. Se for rápido ao entrar no mundo deles, eles serão mais rápidos para se conectarem consigo.

Dica #2: Aprofundar a qualidade da conexão e comprometimento com a interação

  • Foque continuamente no contato visual com a sua criança enquanto estão a brincar. Posicione-se sempre no mesmo ou abaixo do nível dos olhos dela.
  • Use grandes movimentos corporais e animação ao entretê-la. Quanto mais dinâmico for, maiores as chances da criança se querer conectar consigo.
  • Convide-a a participar fisicamente! Dê a ela papéis na brincadeira ao convidá-la a ajudar-lhe de alguma forma (por exemplo, “Tu pegas o tijolo para que possamos construir a torre!”)

Dica #3: Ajudar a sua criança a manter-se focada numa interação, ao invés de trocar rapidamente de uma atividade para outra

  • Dê alguma estrutura à interação. Ao invés de mudar de uma atividade para a outra juntamente com ela, pegue a primeira coisa que lhe interessar e administre-a de forma que prenda a sua atenção (por exemplo, se ela quiser bolhas de sabão, tente dizer: “Vou soprar as bolhas e tu terás que ver quantas consegues arrebentar!”).
  • Encontre maneiras de fazer o interesse dela voltar para a primeira brincadeira. Se está a soprar bolhas de sabão e ela começa a bater num tambor, cante uma música sobre bolhas enquanto ela toca o instrumento e continue a soprá-las. Uma vez que o foco dela retornar a si, convide-a novamente para arrebentar as bolhas de sabão.
  • Remova todas as distrações do chão! Limpe os brinquedos que não estão a ser usados em intervalos regulares, de maneira que possa trabalhar com uma incrível tela em branco.

Tente estas dicas e comente em baixo suas experiências pessoais…

 

Traduzido por: Bianca Basso

Fonte: https://goo.gl/NixUA2