Patrick Samuel – Entrevista

“Sei qual é a cor ou forma eu estou a sentir, mas muitas vezes luto para me expressar com palavras” –  Patrick Samuel, artista e músico

Patrick fala com o National Autistic Society sobre receber um diagnóstico de autismo tardio, como expressar-se através da arte e música ajuda a sua saúde mental, e por que é tão importante que as pessoas com autismo tenham o apoio de saúde mental que é certo para eles…

 

Quando foi diagnosticado com autismo?

Fui diagnosticado com autismo quando tinha 38 anos. Veio depois de uma luta de oito anos para obter uma avaliação do autismo no NHS (Sistema Nacional de Saúde). Eu pensei que poderia ter autismo desde os meus vinte e poucos anos, e procurei um diagnóstico por um longo tempo por uma série de razões, como acessar a cuidados e suporte e ajustes razoáveis no local de trabalho.

 

Como é ter autismo para si?

Eu luto com muitas coisas. A comunicação com os outros pode ser difícil e posso ir abaixo quando me sinto saturado. Preciso de tempo para processar perguntas, dar respostas e receber informações, especialmente se for de pessoas que estou ansioso ou que não conheço. Eu também sou propenso a uma sobrecarga sensorial, que pode ser causada por luzes brilhantes, ruído, cheiros, vibrações e movimento. Eu também tenho sinestesia, que eu descrevo como luzes “muito barulhentas” e sons às vezes “muito brilhantes.”

No entanto, o meu autismo também torna mais fácil para mim fazer coisas que muitas pessoas que não têm autismo podem ter problemas. Trabalho intensamente quando estou a pintar, a escrever, a compor ou a fazer qualquer coisa criativa. Acho que ter autismo também contribui para a minha aptidão na resolução de problemas e reconhecimento de padrões, o que pode ajudar-me a pesquisar um assunto altamente especializado e dar palestras sobre ele.

 

Porque começou a criar arte?

Em criança, a minha mãe acalmava-me através de pintura, desenho ou colorir livros. À medida que cresci e fui criado por guardiões em vez dos meus pais, a arte foi desencorajada. Eu lutei imensamente até dezembro de 2016, quando fui demitido do meu trabalho, auto-mutilei-me, tentei o suicídio e não falei por um tempo. Como forma de expressar as minhas emoções, o meu amigo (que se tornaria no meu cuidador em tempo integral) encorajou-me a começar a fazer terapia de arte diária. Aos poucos, comecei a falar novamente e comecei a usar a arte para descrever como me sentia.

 

Quais são os benefícios do desenho todos os dias?

Quando não consigo explicar a alguém um pensamento, sentimento ou ideia em particular, desenhar realmente ajuda. Com a arte, posso concentrar toda a minha energia e, às vezes, frustração e agressão em algo positivo e dar aos outros uma visão de como eu poderia estar me sentindo. Ajuda-me a conectar-me com os outros, como às vezes luto para me conectar com outras pessoas.

 

Por que começou a criar música, tal como arte?

Como desenhar e pintar, tocar piano, teclado, guitarra e flauta ajuda-me a comunicar. Sei qual é a cor ou forma eu estou a sentir, mas muitas vezes luto para me expressar com palavras. Pergunte-me como me sinto e diga-me para responder com uma peça de música e posso tocar exatamente como me sinto, mas se tiver de usar uma frase completa, não saberia que palavras usar.

 

Está prestes a lançar o seu segundo álbum, Distant Star (Estrela Distante), sobre as suas experiências de ter autismo. Como sente que as composições refletem o espectro do autismo?

Assinei agora com Tiergarten Records, uma gravadora criada em 2016 pelo músico com autismo Robin Jax para apoiar outros criativos neuro diversos na indústria da música. Distant Star captura o que é ser um criador com autismo a enfrentar o mundo com bravura. Este é o primeiro álbum que eu usei a minha voz, toquei uma variedade de instrumentos e realmente contei as minhas histórias e compartilhei as minhas experiências sobre a necessidade de estar seguro, o que o amor sente, o que o tempo parece e por que parece que a vida tem um pouco de magia, agora que eu estou a abraçar o diagnóstico. Estas são coisas bastante abstratas para processar, mas eu acho que a música é a maneira perfeita de explorá-las e expressá-las.

 

O que precisa mudar para ajudar as pessoas que têm autismo e que estão a procurar apoio de saúde mental?

Acho que tem de haver mais formação de autismo com os profissionais de saúde. Por exemplo, quando eu estava à procura de ajuda para controlar a sobrecarga sensorial ou colapsos, era confundido com raiva. Muitas pessoas com autismo, como eu, muitas vezes estão a lidar com problemas de saúde mental sozinhos antes de obterem a ajuda e apoio que precisam, já que o autismo é negligenciado. Formação obrigatória ministrada a todo o pessoal de saúde e cuidados de saúde, e o reconhecimento de que as pessoas com autismo podem necessitar de diferentes tipos de apoio com a sua saúde mental é o caminho a seguir.

 

Traduzido de: https://www.autism.org.uk/about/stories/patrick-samuel.aspx?utm_source=facebook&utm_medium=organic&utm_campaign=storiesfromthespectrum&utm_content=patricksamuel&fbclid=IwAR0uLrd6N6WQM8qaJe5Wytc0kbZukO39P_vM83rdP6Xv4XL4pzuqP2hTjWM

Traduzido por: André Costa