38 results for author: Susana Silva


O que é Apraxia oral?

A apraxia oral é uma desordem motora que faz com que uma pessoa não consiga movimentar adequadamente seus lábios, mandíbula ou língua ( quando solicitado) para produzir adequadamente palavras e / ou fazer expressões faciais apropriadas. Alguns podem ser incapazes de controlar sua respiração ( quando solicitado) também. NOTA: Nos casos em que a questão principal é a comunicação verbal, e não o movimento facial, um distúrbio semelhante chamado apraxia verbal ou apraxia da fala pode estar em jogo. Enquanto os dois são considerados distúrbios separados, eles compartilham semelhanças e muitas vezes existe comorbidade. Este artigo inclui ...

Dar explicações e previsibilidade

As explicações são a chave para abrir inúmeras portas de sucesso para o seu filho: Antes de continuar a ler este artigo, demore algum tempo para refletir sobre a questão que estou prestes a lhe perguntar. Dê a essa questão uma consideração real e desafie-se a ser sincero e pensativo. Afinal, nunca há uma resposta certa ou errada, mas sempre há espaço para uma introspecção, crescimento e aprendizado mais profundo! Então, aqui está a questão do dia: com que frequência pára e realmente explica as coisas ao seu filho no espectro do Autismo?Esta questão aplica-se se o seu filho é totalmente verbal, se apenas usa sons, se é ...

Comportamentos agressivos e medicação

Muitas vezes nos questionam sobre a medicação para comportamentos agressivos em crianças com autismo A maioria dos pais que nos contactam fazem-no porque na escola sugeriram que os filhos tomassem medicação para ficarem mais calmos pois não sabem lidar com os "comportamentos agressivos" da criança.Na nossa opinião a medicação só deve ser  dada quando já tudo o resto foi tentado...a solução nunca passará por sedar uma criança.. a nossa prioridade enquanto pais e educadores tem que ser sempre o bem estar da criança e a sua qualidade de vida, ponderar pós e contras e ter total consciência dos efeitos colaterais que uma medicaç...

Comportamentos auto-agressivos…o que fazer?

Muitos já experimentaram um destes momentos - quando vês o teu filho fazer algo que parece prejudicial para o seu corpo: o seu filho bate com a cabeça na parede - uma e outra vez até ficar com um galo ou com a testa com hematoma; a sua filha morde a mão com tanta força que fica com as marcas dos dentes; seu filho dá murros na cabeça quando você não lhe dá algo que ele pediu. É um momento em que a maioria dos pais me diz que sentem medo e preocupação - a imaginar como manter os seus filhos seguros. É um momento que a maioria dos pais usa para se culpar: "Se eu soubesse como cuidar melhor do meu filho, ele não faria isso".Claro, ...

SE O MEU FILHO NÃO TIVESSE TIDO AUTISMO …

Às vezes penso o que teria acontecido se a natureza tivesse seguido seu caminho da maneira mais comum, se Deus tivesse decidido olhar para o outro lado e deixar passar suas idéias loucas. Se Ivan não tivesse tido autismo, a vida seria muito diferente e certamente continuaria com a venda nos olhos para muitas coisas.Se Ivan não tivesse tido autismo eu poderia ir ao cinema com mais frequência, eu me dedicaria a ler apenas livros de ficção científica, eu iria de férias na época alta, seria forçado a fazer algo que não gostava, voltaria para casa e ligava a TV para assistir as trágicas notícias do mundo, comeria os mesmos alimentos ...

As dificuldades de ter um filho com autismo e outras crenças!

"O difícil não o vêem? O meu filho tem 18 anos; sou pobre; ele não tem terapia e eu não durmo a pensar no seu futuro, tenho 60 anos, de que viverá ele?" As perguntas feitas por uma mãe não me surpreenderam. Estas são as mesmas perguntas que nós fazemos constantemente; todos os pais de crianças com autismo. Todos nós já não dormimos a pensar no futuro ...Mas vamos por partes.VER O DIFÍCIL: Há coisas que parecem ser dificuldades, vamos chamá-las de DESAFIOS. Eu gosto mais desta palavra porque nos obriga a ir mais longe do que pensamos, para superar um objetivo nosso, para ganhar a nossa própria competição . Por outro ...

Lembre-se destas 3 palavras se alguém olhar para si durante uma crise

Alguma vez esteve perante um olhar ou comentário desagradável? Nem consigo dizer quantas famílias conheço que lidam com este problema.Normalmente começa assim: você e o seu filho estão a passear num lugar público como um supermercado ou estão numa fila de um banco quando, de repente, o seu filho tem uma crise. Imediatamente, um desconhecido pensa para si mesmo que o seu filho está a fazer uma “birra” ou que é uma criança “mal comportada” que precisa de se comportar.Depois, esses mesmos desconhecidos podem fazer um comentário direcionado aos pais sobre como é que permitem que o seu filho se comporte daquela maneira. ...

15 Pessoas no Espetro do Autismo descrevem qual a sensação de ter uma crise

“Porque é que estás a perder a cabeça?” “Acalma-te.” “Aquela criança que está a fazer birra apenas precisa de um pouco de disciplina.” “Que pirralho!” “Que pessoa estranha!” As pessoas no espetro de autismo e os seus familiares, infelizmente ouvem frases como estas todos os dias. Porquê? Porque muitas vezes experimentam uma sobrecarga sensorial quando muitos estímulos sensoriais estão a ocorrer ao mesmo tempo. Esta pode ser desencadeada por uma sala cheia de gente, uma televisão que ficou muito alta, aromas mais fortes, iluminação fluorescente – ou uma centena de outras coisas. Está também associada a diagnó...

Se o mundo fosse feito para mim…

Se o mundo fosse feito para mim, não haveria nada de “errado” comigo. Seria feliz, segura e confiante, e bem-sucedida. Se o mundo fosse feito para mim, quando conheço pessoas não haveria expectativas de contacto físico ou conversa fiada. Poderíamos nos ignorar uns aos outros com um aceitável aceno ou lançarmos-nos para uma conversa profunda e significativa. Se o mundo fosse feito para mim, todos nós nos sentávamos ao lado uns dos outros, não o contrário. As coisas seriam baseadas em palavras literais, não por gestos e expressões deduzíeis. Se o mundo fosse feito para mim, haveria um dia de folga obrigatório depois de um ...

De que forma o meu filho com autismo me mudou

No outro dia estava a falar com um completo desconhecido na paragem de autocarro do acampamento de férias do meu filho. Conversámos como velhos amigos. Há algo que nos une a todos… as experiências, a dor, a alegria e as aprendizagens. Há tanto para partilhar. Finalmente despedimo-nos, prometendo um almoço juntamente com uma sessão de spa… sabendo bem que é mais fácil dizer do que fazer.No regresso, pensei… Nunca fui o tipo de pessoa que simplesmente abordava alguém e começava a conversar. Preferia o conforto da familiaridade. E hoje, aqui estou eu, a conversar com alguém que nunca tinha conhecido e a sentir-me muito relaxada ...