Hábitos alimentares: crianças e adolescentes com perturbação do espetro do autismo

Algumas crianças com PEA são exigentes no que toca a comer. Outras crianças comem demais, outras a menos e outras comem coisas não comestíveis como sabão, lixo ou partes de brinquedos. Estas dicas vão ajudá-lo a controlar o comportamento alimentar do seu filho.

 

Hábitos alimentares: crianças e adolescentes com perturbação do espetro do autismo (PEA)

Algumas crianças e adolescentes com PEA são exigentes no que toca a comer e comerão apenas uma gama limitada de alimentos.

Se a dieta do seu filho é muito limitada – por exemplo, apenas come comidas empapadas – ele pode não estar a receber todos os nutrientes que necessita. É uma boa ideia falar com o seu médico de família ou nutricionista sobre suplementar a dieta do seu filho.

 

1.Perceba os hábitos alimentares do seu filho

O primeiro passo para controlar os hábitos alimentares do seu filho é o de descobrir o porquê do seu filho ser tão exigente no que toca a comida.

Para começar, marque uma consulta com o seu médico de família ou pediatra para garantir que problemas gastrointestinais, como intolerâncias alimentares, não são o problema.

Se problemas de barriga não são a causa, então pode ser mesmo o seu filho porque:

  • tem sensibilidade sensorial e prefere alimentos com texturas específicas;
  • gosta de rotinas e quer a mesma comida à mesma hora, todos os dias;
  • acha difícil ter novas experiências, incluindo comer novos alimentos;
  • ficou preocupado com um determinado tipo de alimento.

 

2.Incentive uma dieta variada

Experimente alimentos com texturas que o seu filho gosta. Por exemplo, se o seu filho não gosta de alimentos suaves e come apenas alimentos crocantes, ofereça legumes crus, como cenouras, em vez de vegetais cozidos.

Dar a escolher entre dois alimentos pode dar ao seu filho uma sensação de controlo. Isto pode ser útil para as crianças que acham a mudança difícil.

No supermercado, deixe o seu filho escolher alguns alimentos. Ele pode escolher uma comida que você não tinha pensado – talvez pareça-lhe interessante ou cheire bem. Podem tentar cozinhar esses alimentos juntos.

Disfarçar os alimentos pode ajudar o seu filho a comer uma dieta mais variada. Pode tentar cortar alimentos novos em pedaços minúsculos e misturá-los em algo que o seu filho adora, como arroz ou pizza numa versão saudável. Mas isso não vai mudar o comportamento alimentar do seu filho, por isso também é importante continuar a oferecer os alimentos que ele recusou. Quando fizer isso, o seu filho tem uma oportunidade de se familiarizar e a aprender a gostar de diferentes gostos e texturas.

Se o seu filho achar difícil a mudança, significa que pode demorar um pouco para que se familiarize e se sinta confortável com novos alimentos. Tente oferecer um novo alimento, ou um alimento que o seu filho recusou, com outro alimento saudável que ele gosta. Também pode deixar o seu filho cheirar ou lamber um novo alimento para que se acostume com o aspeto, a sensação e cheiro dele. Talvez precise de o deixar fazer isto durante várias refeições até que ele esteja disposto a dar uma dentada. Se cheirar ou lamber um alimento é muito bom para o seu filho, pode começar por habituá-lo a ter a comida no prato.

Se mostrar ao seu filho o quanto você ou um irmão desfrutam de um determinado alimento, ao longo do tempo ele pode estar disposto a dar-lhe uma oportunidade também. Este método funciona particularmente bem com crianças mais novas que têm um irmão mais velho que olham admiram ou copiam naturalmente.

Elogie o seu filho quando tentar um novo alimento – por exemplo, “é ótimo que tenhas experimentado essas cenouras”. Poderia recompensá-lo com uma atividade favorita, mas tenha em mente que, a longo prazo, está a tentar fazer com que o seu filho coma uma variedade de alimentos porque ele quer e não só porque vai receber uma recompensa. Dar recompensas pode ajudar a curto prazo.

 

3.Estratégias a Evitar

Há coisas que não funcionam com os hábitos alimentares exigentes:

  • Obrigá-lo a comer uma nova comida pode piorar as coisas, e o seu filho pode recusar-se a comer.
  • Fazer uma refeição separada para o seu filho vai ensiná-lo que vai ter uma refeição especial para ele mesmo se continuar a ser exigente.
  • Ignorar os hábitos alimentares exigentes do seu filho não funciona e é provável que ele continue a ser exigente.
  • Castigá-lo – por exemplo, tirando-lhe algo de que gosta – geralmente não funciona. É melhor recompensar o comportamento alimentar que deseja ver – por exemplo, dando-lhe uma recompensa por provar um novo alimento. As recompensas podem ser um autocolante ou um tempo extra a fazer uma atividade favorita.

Um profissional de saúde ou outro terapeuta experiente pode ajudá-lo a compreender e a gerir o comportamento alimentar do seu filho. Isto pode ser particularmente útil se o seu filho também tiver outros comportamentos difíceis à hora das refeições, como atirar a comida, rir-se ou recusar-se a sentar-se.

 

Hábitos de consumo excessivo e o Perturbação do espetro do autismo (PEA)

Comer demais é menos comum em crianças e adolescentes com PEA, mas algumas crianças podem comer o dia todo, ou simplesmente comer demasiado nas refeições.

 

1.Perceba que o seu filho está a comer demais

Perceber o porquê do seu filho estar a comer demais pode ajudá-lo a controlar esse comportamento.

Marque uma consulta com o seu médico de família ou pediatra para garantir que problemas de saúde não estão envolvidos.

Se não existirem razões médicas, o seu filho pode estar a comer demais devido a uma destas razões:

  • Hábitos: escrever um diário por alguns dias vai ajudá-lo a ver se há um padrão nos hábitos alimentares do seu filho. Ele está a comer em alturas específicas do dia? Enquanto está a ver televisão? No computador? Quando ele não tem nada para fazer?
  • Comportamento obsessivo compulsivo: o facto do seu filho está a comer demais pode ser mais do que um hábito? Ele pode estar obcecado com uma comida em particular e não consegue controlar. Se o seu filho comer demasiado às refeições e quiser uma quantidade excessiva de comida, pode estar a mostrar sinais de comportamento compulsivo.
  • Efeitos secundários da medicação: alguns medicamentos de controlo de comportamento podem fazer as crianças comerem mais e ganhar peso. Isto é porque os medicamentos mudam os hormônios que controlam o apetite e como o corpo processa alimentos.
  • Refeições imprevisíveis: se o seu filho não tiver refeições marcadas, é provável que ele coma durante todo o dia.
  • Sensibilidades sensoriais: por exemplo, se o seu filho gosta de texturas suaves, ele pode procurar apenas por alimentos suaves.

 

2.Controle o excesso de comida do seu filho

Se acha que o excesso de comida pode advir de obsessões ou compulsões, tente limitar a comida que coloca no prato do seu filho e a comida que está à vista.

Se pensa que a medicação do seu filho pode ser o problema, fale com o seu pediatra para que prescreva outro medicamento. Pode levar um bocado de tempo para descobrir qual a medicação que funciona melhor com o corpo do seu filho.

As refeições regulares podem ajudar o seu filho a ajustar-se a comer determinadas quantidades de alimentos em determinadas alturas. Enquanto o seu filho se está a habituar com a nova rotina, pode ajudar dar-lhe alguns lanches de baixa gordura, de baixa energia, de modo que não esteja muito cheio até à hora das refeições.

Ensine-lhe o significado de “ter fome” e “estar cheio”. Se ele não sente fome, então deve esperar um pouco mais para poder comer. Se ainda sentir fome após uma refeição, encoraje-o a esperar alguns minutos. Na maioria das vezes, ele vai sentir-se cheio.

Às vezes, as crianças pensam que têm fome quando estão com sede. Certifique-se de que o seu filho bebe muita água durante todo o dia, entre as refeições.

Se o seu filho come quando está aborrecido, tente ter algumas atividades de apoio para mantê-lo ocupado até que seja hora de comer.

Manter o «problema» ou os petiscos fora do alcance pode ajudar o seu filho a lanchar menos. Se o seu filho é mais velho (e se já chega aos armários mais altos) precisa manter estes alimentos fora de casa.

Encoraje o seu filho a fazer alguma atividade física como parte de um estilo de vida equilibrado e saudável.

Se o seu filho procura sensações sensoriais particulares, tente substituir um objeto sensorial (alimento) por outro (não-alimento). Por exemplo, se o seu filho gosta da sensação de substâncias macias na boca, pode fazê-lo brincar todos os dias com plasticina. Se ele procura comida macia, tente dar-lhe suficiente plasticina para a sentir com as mãos.

 

Hábitos alimentares não alimentares e a Perturbação do espectro do autismo (PEA)

Algumas crianças com PEA metem na boca ou comem coisas não comestíveis como terra, cabelo, moedas, sabão ou tecidos de roupa.

Isto é chamado de Pica. Pode ser muito perigoso. Se não for tratada, pode levar a infeções, a um aumento dos níveis de toxinas ou desnutrição.

Como o comer excessivo, a pica pode ser o resultado de problemas sensoriais. Também pode vir de um comportamento obsessivo compulsivo, stress, ansiedade ou desnutrição.

Pode tentar substituir o que ele mete na boca com lanches e elogiar o seu filho sempre que ele escolher um item alimentar em vez de um item não-alimentar.

 

A dieta como um tratamento para a Perturbação do espectro do autismo (PEA)

Existem alegações de que dietas especiais podem “curar” ou ajudar a PEA. A dieta mais popular é a dieta sem glúten e sem caseína.

As crianças com PEA que têm sensibilidade ao glúten e à caseína e outras intolerâncias podem beneficiar de uma dieta sem glúten e sem caseína.

 

Tradução: André Costa

Fonte: https://goo.gl/XVj6sV