Se a sua criança usa a casa de banho para fazer xixi mas não usa para fazer cocó

Por vezes pode acontecer a criança dentro do espetro do autismo usar já a casa de banho e a sanita para fazer xixi, mas não conseguir fazer o mesmo no caso do cocó.

Na verdade existem algumas razões pelas quais isto poderá estar a acontecer. Deixamos de seguida uma lista de várias situações e do que podemos fazer para ajudar a nossa criança a usar a casa de banho em ambos os casos:

1. A primeira situação pode ser porque terem ganho alguma aversão ao cocó devido a alguma reação que tenham observado, como por exemplo alguém ter tido uma reação menos positiva como “que cocó tão mal cheiroso”. Se for este o caso o que pode fazer é simplesmente dizer à criança que o cocó dela é maravilhoso e incrível e super saudável, e que não tem mal nenhum fazê-lo ao pé de si na casa de banho. Numa primeira fase, se a criança tiver mesmo muita resistência pode começar a modelar e a convidá-la a ir consigo quando vai fazer essa necessidade à casa de banho e partilhar com ela como essa experiência é maravilhosa e saudável para si, para retirar toda a carga negativa ou vergonha associada que essa possa ter para a criança.

2. Outra situação pode estar relacionada com o nosso entusiasmo quando a criança faz cocó. Para algumas crianças no espetro do autismo, fazer cocó é uma experiência sensorial muito intensa e algumas delas precisam de estar sozinhas nesse momento ou então quando estão em companhia de alguém, precisam que essa pessoa esteja com a energia mais baixa e em silêncio ou com um tom de voz mais baixo, com menos interação, dando espaço à criança para fazer a sua necessidade. Nestes casos, pode até mesmo sair da casa de banho e dizer-lhe que espera lá fora e que quando estiver pronta poderá chamar por si.

3. Se já colocou em prática estas estratégias e nenhumas delas funcionou e a criança continua a esconder-se para fazer cocó sem usar a sanita, comece a fazer um registo de onde ela costuma fazer:

a) é sempre no mesmo sitio?

b) em que sítios costuma fazer?

c) o que acha que pode existir nesse sítio de interessante para a criança para ela fazer aí? como é o ambiente?

Observe e registe para tentar entender se existe um padrão, um padrão que poderá levar para o contexto da casa de banho – que é onde queremos que a nossa criança também faça cocó. Observe e tente entender qual poderá ser a motivação da sua criança de fazer noutra sítio que não seja o da casa-de-banho.

4. Caso não encontre nenhuma motivação para a criança estar a fazer cocó num sítio em específico – o que também poderá acontecer – talvez a sua criança tenha começado a ter este comportamento um dia de forma aleatória, que se converteu numa rotina rígida e agora é para ela difícil mudar esse “ritual”. Caso seja essa a situação, poderá levar um penico para o sitio onde a sua criança costuma fazer cocó e explicar-lhe que nesse penico ela poderá fazer cocó. De dois em dois, vá aproximando o penico para mais perto da zona da casa de banho. Com estas pequenas mudanças, a sua criança poderá aceitar melhor fazer cocó noutro local que não seja o que ela está a usar agora – como a sanita, que é o que pretendemos como objetivo final.