Iniciar uma dieta sem glúten e caseína: Passo-a-passo

Acreditamos e sabemos que a alimentação da sua criança, tem um papel bastante importante para a sua saúde e bem estar no geral. E especialmente no autismo, sabemos que existem ligações muito importantes entre autismo e nutrição. Existem já vários estudos que apoiam a teoria de que o trigo e os lacticínios podem ter uma influência no comportamento da criança.

O glúten e a caseína têm proteínas que se decompõem em moléculas idênticas a drogas semelhantes ao ópio e as crianças com autismo têm o sistema digestivo comprometido.

Muitas das condições físicas e médicas que muitas destas crianças enfrentam são frequentemente ignoradas. Muitas delas têm, alergias alimentares e eczema, problemas gastrointestinais, intestinos presos e diarreia, candidíase, desregulações no sistema imunitário e distúrbios de sono.

No que toca a problemas gastrointestinais, algumas dessas crianças tem síndrome do intestino permeável – significa que o intestino da pessoa é mais permeável do que o “normal”, permitindo que moléculas de grande dimensão (como as proteínas) sejam absorvidas nos intestinos. Assim, em vez de serem excretadas, estas moléculas são absorvidas para a corrente sanguínea.

Alguns estudos mostram que estas biomoléculas são encontradas em quantidades altas pouco comuns na urina das crianças com autismo e que a eliminação do glúten (proteína encontrada em vários cereais, incluindo cevada, centeio e trigo) e da caseína (proteína encontrada nos produtos lácteos) tem mostrado ser bastante benéfica. É estimado que até 80% das crianças irão beneficiar com esta alteração na dieta, quando seguida rigorosamente.

A pesquisa sugere que o revestimento do intestino se torna inflamado e comprometido devido a uma combinação de bactérias nos intestinos prejudicial para a saúde. Estes microrganismos são conhecidos como microbiomas. Muitos fatores podem causar esta inflamação, incluindo certos alimentos, fatores ambientais e o uso exagerado de antibióticos e outros medicamentos.

Esta inflamação conduz à condição da síndrome do intestino permeável, ou híper-permeabilidade intestinal. Quando a barreira intestinal é comprometida, glúten e caseína parcialmente digeridas conseguem passar pela corrente sanguínea e, eventualmente, alcançar o cérebro. Verificou-se que estas proteínas têm uma estrutura química semelhante à dos opioides, que se conseguem ligar a recetores de opioides no cérebro e por sua vez causam interferência em sinais cerebrais específicos. Consequentemente, podem surgir alguns dos comportamentos típicos no autismo.

Então por onde começar?

Numa primeira fase, é essencial realizar exames à sua criança de forma a detetar algum tipo de reação a produtos alérgenos, como por exemplo, ao glúten, à caseína, ao milho ou à soja. Ainda acreditamos que é fundamental ter cuidado com a quantidade de açúcar que a criança consome no seu dia-a-dia, devido aos efeitos negativos que este tem e sendo as nossas crianças mais sensíveis, acreditamos que os efeitos negativos possam ser amplificados (maior agitação, mais energia,…).

Geralmente no autismo, a maior parte das crianças que se encontra no espetro é bastante seletiva no que toca à alimentação e a mesma pode ser um verdadeiro desafio. Se a sua criança consome maioritariamente os alimentos alérgenos supracitados e açúcar, isso pode ser um sinal de que ela possa ser intolerante a esses mesmos alimentos que consome.

Se está determinado e decidido a mudar o tipo de alimentação da sua criança, elimando glúten, caseína, milho, soja ou açúcar, há que primeiro ter em consideração os seguintes aspetos que os poderão ajudar muito: 

1. Comece apenas quando tiver a certeza. Se estiver com dúvidas, a criança vai sentir e vai esperar até que ceda e lhe dê a tão desejada bolacha de chocolate que ela quer. É fundamental que mentalmente esteja consciencializado que quer mesmo ir até ao fim com a sua decisão. Pesquise que outras alternativas alimentares existem para a sua criança – hoje em dia já existem variadas receitas online glúten e caseína free que pode aceder facilmente e gratuitamente.

2. Certifique-se de que não existe em casa alimentos que não quer que a sua criança consuma para evitar situações de maior stress ou ansiedade. As crianças são inteligentes e, se tiver em casa algum desses alimentos, eles vão encontrá-lo.

3. Explique-lhe o motivo pela qual está a mudar a sua dieta bem como os benefícios que advêm desta mudança. Faça isto mesmo que a sua criança tenha começado recentemente a falar. Acreditamos, sem dúvida alguma, que a sua criança percebe muito do que lhe transmite, mesmo que ainda não tenha a capacidade de lhe responder. Não falarem ou não responderem, não quer dizer que não entendam ou que não estejam a ouvir. Fale com ela e explique este processo de uma forma natural.

4. Tenha vários dos novos alimentos que pretende introduzir na dieta da criança disponíveis dentro da casa em taças. Desta forma, a criança irá habituar-se aos novos cheiros e ao aspeto visual desses alimentos e assim, pode facilmente pegar e comer caso esteja com fome.

5. Adore a comida que oferece ao seu filho. Se não gostar ou adorar estes novos alimentos por que razão os experimentaria o seu filho?

6. Inicie um de cada vez. Se são três os alergénicos que quer eliminar, por exemplo, glúten, caseína e açúcar, comece com aquele que acha que será o mais fácil de tirar e duas semanas depois retire o segundo e por aí adiante.

7. Para evitar comer, acidentalmente, alimentos que não quer é importante ler com atenção as indicações de cada alimento, os ingredientes de trigo e de lacticínios normalmente estão “escondidos”.

8. Informe também as pessoas que estão diariamente com a criança: professores, terapeutas e outras pessoas presentes na vida da criança. A dieta GFCF advoga que até mesmo um pouco de trigo ou lacticínios poderia ter um grande impacto numa criança com autismo e se alguém fora de casa lhe der algum alimento com estas propriedades, os benefícios da dieta não irão resultar.

9. Último mas não menos importante: Acredite que o seu filho irá comer estes novos alimentos deliciosos!