Dicas para desenvolver a comunicação verbal da sua criança

Algumas crianças com autismo podem desenvolver a linguagem muito mais tarde do que crianças com desenvolvimento normal, o que significa que mesmo que a sua criança ainda não comunique verbalmente, não significa que nunca o irá fazer, apenas poderá demorar mais do que o que é considerado a média.
O primeiro passo é acreditar que a sua criança é capaz de aprender a comunicar-se verbalmente, mesmo que até ao momento ainda não o tenha feito. Ao trabalharmos com as nossas crianças, a nossa atitude e crenças têm uma papel fundamental ao longo de todo o processo. Se trabalharmos com elas tendo por base a crença de que são capazes, o nosso esforço, empenho e persistência será automaticamente diferente. Não se esqueça que cada objetivo com o qual quer trabalhar tem uma intenção e implica entrar em contacto com o que se acredita.

Sendo o autismo uma perturbação da relação e da comunicação, queremos motivar ao máximo as nossas crianças a interagirem com o mundo que as rodeia. Dessa forma, podemos usar todas as oportunidades para estimular, modelar e solicitar a comunicação verbal. A ideia não é apenas ensinar as nossas crianças a comunicarem verbalmente, mas sim inspirá-las a querer fazê-lo, porque entendem os benefícios da mesma e quais as razões para a usar.

Acreditamos que toda criança é capaz de aprender a falar. E para começar, partilhamos os seguintes princípios a ter em mente para quando iniciar esta aventura com a sua criança:

Seja persistente. É uma maratona e precisa de dar tempo à sua criança. O nosso objetivo é mostrar à criança que ela é capaz de tudo e que acreditamos na sua capacidade a 100%. Queremos ser um exemplo para eles de que não devemos desistir à primeira e queremos mostrar-lhes o quão empenhados e dedicados estamos para as ajudar.

Estimule o contacto visual e o tempo de atenção conjunta. Quanto mais tempo a criança permanecer em interação consigo e quanto mais contacto visual estabelecer, mais fácil será para ela assimilar a aprendizagem. Poderá observar como faz, como articula, como posiciona boca, lábios e língua para saírem as palavras.

Responda rapidamente aos sons que a sua criança emite. Quando a sua criança produz um som mesmo que não tenha a certeza do que é, mova-se rapidamente e ofereça alguma coisa mesmo que ainda não saiba o que está a pedir. Mostre à sua criança que a comunicação verbal faz com que as pessoas se movam muito rápido.

Demonstre o poder da linguagem verbos de ação ou substantivos eficazes. Por exemplo “subir” – pode levantar a sua criança ao utilizar este verbo. Ou “cócegas” faz com que receba algo que gosta. Agora pense na palavra “mesa” – não há nenhuma ação específica, pelo que poderá ser pouco motivador para a criança começar a aprender este tipo de palavras. Recorra às suas motivações e ao que mais gosta para a estimular a comunicar.

Celebre todas a tentativas de comunicação. Trabalhe através das suas motivações e sempre que verbalize nem que seja pequenos sons como tentativa de comunicação, celebre! Queremos transmitir-lhe confiança e fazer a criança sentir-se bem sucedida e ainda mais motivada para tentar melhor cada vez mais. Ao celebrar as tentativas de comunicação, mesmo que estas ainda não sejam perfeitas, vai mostrar à sua criança como os sons, sílabas ou palavras são poderosas!

Tendo em mente estes três princípios base, apresentamos sete passos para ajudar a melhor a comunicação verbal da sua criança:

Passo 1

Defina objetivos claros e específicos. Quer que a sua criança comece a falar, mas se a sua criança ainda não diz palavras, vai querer começar por um objetivo mais acessível. Lembre-se que a aprendizagem deve ser feita por degraus. Não podemos pedir a uma criança que ainda não verbalize uma única palavra ou que ainda não use sons para comunicar, que comece já a dizer frases. Portanto, defina objetivos claros e tangíveis. Identifique em que etapa da comunicação verbal se encontra a sua criança e defina por onde vai começar. Poderá ser por a criança começar a comunicar através de sons, palavras isoladas e claras, frases de duas palavras, ciclos de conversa ou flexibilidade no tópico da conversa. Veja em que nível ela se encontra e ajuste o grau de desafio.

Passo 2 

Crie atividades divertidas e interativas com a sua criança. As crianças ficam mais motivadas a comunicar quando estão envolvidas em atividades do seu interesse. Antes de começar a solicitar a comunicação verbal, tenha em atenção se a sua criança está envolvida consigo numa atividade e se está a divertir, como por exemplo cócegas, bolas de sabão, construção de legos, corridas de carros, etc.  Depois de ambos estarem envolvidos na atividade e a sua criança estar “on” e interessada no que está acontecer, apresente-lhe o seu “papel” e adicione a solicitação da comunicação verbal ao jogo. O facto de a criança estar a fazer uma atividade interativa do seu interesse aumentará bastante a probabilidade de ela responder ao seu pedido.

Passo 3

Jogue o jogo por alguns ciclos. Para que seja mais fácil para a criança assimilar a importância da comunicação verbal e dos seus benefícios, crie brincadeiras cíclicas: ação motivadora – pausa – ação motivadora – pausa.

Priorize primeiro a relação e depois comece a trabalhar o seu objetivo. Torne numa primeira fase a atividade incrivelmente divertida para a sua criança e depois de completar a atividade por 3/4 ciclos, avance para a solicitação.

Passo 4

Crie pausas e soliciteAssim que estiverem os dois a divertirem-se no jogo interativo, pare a atividade e solicite a comunicação verbal. Faça o seu “pedido” de forma entusiasmada e quando a sua criança começar a falar, mostre entusiasmo em ouvir a sua voz.

Por exemplo, se estiver a fazer cócegas à sua criança já há algum tempo e sentir que ela está bem interativa, crie uma pausa e incentive a sua criança a verbalizar “cócegas” para obter a ação motivadora de volta. “Cócegas” no caso de já estar a trabalhar palavras isoladas, mas poderá ser apenas a sílaba “co” no caso de ainda estar no primeiro degrau da comunicação verbal, ou ainda, “mais cócegas” no caso de já estar a construir frases.

Passo 5

Dê tempo à criança de responder. Espere. Algumas crianças podem demorar a verbalizar, por isso deverá aguardar cerca de um minuto. Não recomece de imediato a atividade sem lhe dar uma oportunidade de ela processar o seu pedido e conseguir responder. Encontre um equilíbrio entre esperar e manter o jogo interativo com a criança ainda motivada e interessada. Nos tempos de espera, depois de solicitar pode criar entusiasmo e encorajamento de forma gestual – mantendo uma expressão facial exagerada de contente e ansioso por ouvir uma resposta ou usando os seus braços para a encorajar a criança a falar. Tente manter o entusiasmo e motivação da criança na atividade que está a acontecer, mesmo que esta esteja em pausa à espera da sua verbalização.

Passo 6

Celebre e continue a atividade. Se a sua criança responder de alguma forma ao seu pedido, elogie bastante e dê-lhe muito rapidamente o que quer! Após mais um ciclos de brincadeira, volte a parar e a solicitar novamente. Repita o processo enquanto o jogo continuar e a sua criança estiver interativa e divertida consigo. Se a sua criança não responder e sentir que está a perder a motivação reinicie a atividade envolvendo-a novamente no jogo. Depois de mais alguns ciclos pare e solicite novamente.

Passo 7

Não desista. É fundamente que continue forte na sua crença de que a sua criança irá falar, que continue apaixonado e com vontade de a ajudar nesse sentido. Que se sinta confortável e tranquilo sobre o tempo que a sua criança precisa neste processo. Mesmo que hoje a sua criança não tenha comunicado consigo verbalmente, ela está assimilar tudo e sente o que está a sentir. Percebe as suas expressões faciais e linguagem corporal. Dê o seu melhor para se comunicar com amor, aceitação, encorajamento e acima de tudo, que ela sinta que está ok com o que ela consegue mostrar neste momento.

Em alguns casos, poderá ser necessário solicitar várias vezes à sua criança antes que ela comece a responder. Mas não há problema. Permaneça determinado. Mesmo que a sua criança não responda ao seu pedido, tenha em mente que está a construir a base e que se não o fez hoje, nada indica que não o fará amanhã, nem nada diz sobre a sua capacidade de futuramente não o vir a conseguir fazer.

Terminamos com uma frase que gostamos muito e que achamos que faz todo o sentido:

“Para algumas crianças, o desenvolvimento da linguagem é um processo, como uma dança complicada que eles estão aprender. Eles podem não aprender simplesmente sendo informados sobre como a dança é realizada, ou mesmo sendo mostrada a dança. Eles precisam praticar a dança e participar nela com o seu parceiro de dança. Seja o parceiro de dança do seu filho.

Boas aventuras com as vossas crianças!