Birras: O que devemos fazer?

As birras aparecem por diversas razões e vamos mostrar o que é que as nossas crianças nos querem transmitir e qual é a melhor forma de reagir. As dicas que iremos apresentar podem ajudar qualquer criança, seja qual for a sua idade ou diagnóstico. O objetivo das próximas sugestões são para que a criança consiga comunicar de forma mais calma e descontraída e perceber que com gritos, choros e birras não é a melhor forma de comunicar e expressar o que sente.

Mas afinal, o que as birras transmitem?

Comunicação

Quando a criança chora, grita, bate com pés, destrói algo… está simplesmente a tentar comunicar connosco. É apenas a ferramenta que ela encontra para mostrar que algo não está bem – encontra-se num ambiente demasiado estimulante ou estão a tentar interromper a sua estereotipia – ou que quer algo – comer um alimento, ver televisão, ir à rua, entre outras razões.

E o que posso fazer?

Não corra e não fique aflito

Se ficar aflito e correr para fazer o que a sua criança quer, quando chora, grita ou faz birra, está a dar-lhe a resposta de que aquela forma de comunicação é a melhor para ela conseguir o que quer. Ao reagir dessa maneira ao comportamento da sua criança, está a mostrar-lhe que pára tudo o que está a fazer para lhe dar o que ela quer. A criança vai perceber que só assim é que vai conseguir o que quer pois de outra forma não conseguiria. E se ela gostar de reações exageradas, é um bónus para ela vê-la assim e até se diverte com toda a atenção que lhe dá.

Atitude

Mantenha-se calmo e o mais à vontade possível. É altura de fazer totalmente o contrário da reação de aflição e de correr como se fosse apagar um fogo. Mova-se devagar até à sua criança e fale com calma e mostre-se confuso quando estiver a ajudá-la a obter o que quer. Se for uma criança não verbal, mostre-lhe diversas alternativas perguntando, com calma, “é isto que queres?” e só no fim da terceira ou quarta alternativa é que lhe dá o que pensa que ela pretende, esperando que esta esteja calma antes de lhe dar o que quer.

Se for uma criança verbal, diga-lhe algo como “não consigo perceber porque estás a chorar, se falares eu posso conseguir ajudar-te” ou “não preciso que grites, se falares com calma e devagar eu vou responder-te ao que tu queres”, dizendo sempre com toda a calma do mundo. Mesmo sendo uma criança não verbal, é importante fazer-lhe perguntas e falar com calma explicando que assim não vai conseguir o que pretende. Ela também o irá perceber. Não se esqueça que a forma como responde, a sua atitude, influencia a resposta da sua criança.

Não ceda, apresente outras alternativas

A sua criança pode chorar ou fazer birra por não lhe darem mais bolachas ou por não a deixarem sair à rua porque está a chover ou por não a deixarem jogar mais computador ou outra qualquer razão. Seja qual for a situação, tente sempre manter a calma e não se apressar em dar-lhe resposta à birra. Explique à criança, sempre mantendo um tom baixo (por vezes faz com que a criança diminue o som da birra para o ouvir), que ela não vai conseguir o que quer ao chorar e a fazer birra. Faça-o de maneira suave e simpática, não zangada, stressada ou frustrada. Após realizar esta explicação várias vezes, apresente alternativas à atividade que a criança deseja pois não será mesmo possível. Por exemplo, ofereça-lhe fruta em vez de mais bolachas, sugira brincarem dentro de casa e apresente atividades que tenham, em vez de irem à rua ou de jogar mais computador. Relembramos a importância de ter atitude ao apresentar-lhe essas alternativas, com todo o entusiasmo e positividade.

E se, mesmo assim, ela continuar a chorar e a fazer birra? 

Se a criança não responder de forma calma, se não aceitar nenhuma das alternativas e continuar a chorar e a fazer birra, vá fazer outra coisa qualquer não dando mais atenção à birra da sua criança como ler um livro, olhar pela janela, sentar-se e não lhe dar tanta atenção ou fazer uma atividade doméstica e deixei-a chorar, sempre de olho nela para garantir que não magoe ninguém, nem a ela própria nem a outro.

Seja forte e consistente

Lembre-se que a sua criança não é frágil e pode chorar o tempo que ela desejar. E você também não é frágil, consegue aguentar vê-la chorar e gritar. Tenha em mente que as primeiras vezes podem ser difíceis de a criança ceder, principalmente se ela estiver habituada a outras reações e respostas à birra. E acredite, elas conseguem ser bem persistentes, mas pense para si mesmo “eu sou mais persistente” e recorde-se que isso trará mais calma e melhores respostas futuramente.

Escolha um lugar calmo

Se possível, na altura que estiver a acontecer a birra, leve a sua criança, sempre com calma e sem pressões, para um lugar mais tranquilo e faça as dicas acima referidas. Quando estamos num lugar mais calmo e fora de outras distrações, toda a atenção vai para si e para as suas palavras. Para além disso, como já referido, por vezes a birra até pode ser provocada por se encontrarem num sítio demasiado estimulante para a criança e, assim, poderão perceber se poderá ser essa a razão.

Celebre e corra quando conseguir!

Se a sua criança não chorar nem fizer birra quando não lhe der aquilo que ela quer, celebre esse acontecimento e diga-lhe que está muito feliz por ela estar calma e sem problemas e mostre-o com todo o seu carinho e amor. Corra em direção para o que ela está a pedir se estiver a fazê-lo com calma e descontraída. Assim ela entenderá que essa é a melhor forma de conseguir o que quer, e não com birras. Para crianças não verbais, aproveite esta altura onde ela pede algo, e tente conseguir que ela emite algum som, alguma sílaba ou palavra do que ela quer.

Celebre também outras situações em que a sua criança se mostrou calma e bem-disposta, mostrando-lhe que ficou imensamente feliz com o comportamento dela, com carinhos e pulos de alegria. Se for uma criança que goste de reações exageradas, nestas alturas é importante aproveitar isso para a parte positiva!

Importante!

Recorde-se que estas dicas são apenas uma orientação e temos sempre que adaptar aos casos individuais. Por exemplo, se a sua criança se magoar e chorar, é evidente que deve rapidamente responder-lhe ou se for partir alguma coisa, deve impedir que isso aconteça, mas tente sempre reagir com calma e sem mostrar-se chateado ou frustado.

Não se julgue

E, por fim, queremos dizer-lhe para não se julgar quando não conseguir. Pode não ser à primeira, nem à segunda nem à terceira que consegue que a sua criança seja calma. E a birra e o choro às vezes podem durar uma hora ou mais. Mas acredite, é muito importante ir trabalhando as respostas às birras e ter atitude, persistência e não desistir para ter resultados futuros.

Caminharemos para o melhor das nossas crianças 🙂