Comunicação não-verbal: importância e como desenvolvê-la?

Primeiramente, antes de percebermos a importância que tem a comunicação não-verbal nas nossas crianças, vamos perceber se sabemos exatamente o que é a comunicação não-verbal.

A comunicação não-verbal é a comunicação que realizamos com o nosso corpo. É quando comunicamos sem usar a palavra falada. São todos os gestos, expressões, tons de voz, sons, comportamentos, posturas e contactos visuais. Este tipo de comunicação transmite mensagens à pessoa que os recebe e que realizará uma leitura do outro através dessas comunicações não-verbais. Muitas vezes, apenas ao olhar, apontar, realizar um som ou expressão, a outra pessoa irá perceber o que estamos a querer dizer, mesmo sem usar palavras.

Usamos várias vezes a comunicação não-verbal e nem nos apercebemos porque pertence à nossa maneira de ser e é um hábito comum. Mas, nas nossas crianças, isso pode ser menos fácil de realizar e interpretar.

Por isso, para além da comunicação verbal, é muito importante incentivar a utilização da comunicação não-verbal. Sendo a nossa criança verbal ou não, é relevante que ela transmita os seus sentimentos e pedidos através da comunicação não-verbal para, assim, enriquecer a sua comunicação consigo e com os outros à sua volta.

Numa criança não-verbal, a utilização da comunicação não-verbal com gestos, sons ou outros, pode ser a “ponte” para a comunicação verbal. Para crianças verbais, a utilização da comunicação não-verbal irá enriquecer ainda mais a sua interação e socialização.

Mas que comunicação não-verbal é que a minha criança pode usar? 

Comece com coisas simples. As comunicações que pode incentivar a sua criança a realizar são, por exemplo:

Apontar → Pedido

Acenar → Chamamento

Bater palmas → Felicidade / Celebração

Abanar a cabeça movimentando o “não” → Negação

Abanar a cabeça movimentando o “sim” → Aceitação

Reagir a músicas a dançar → Felicidade / Diversão

“Mais cinco” (“high fives”) → Felicidade / Celebração

E como posso incentivar a minha criança a usar a comunicação não-verbal?

1. Seja o exemplo!

APONTE, dizendo “é isto que queres?” – quando se aperceber que a sua criança quer algo e dê o objeto que a criança pretende (pode dizer também o nome do objeto para incentivar à verbalização).

APONTE para um objeto ou brinquedo que a sua criança adora. Por exemplo, afirme “olha, queres brincar com o teu Mickey?” ao mesmo tempo que aponta, e depois dê-lhe.

APONTE para diferentes partes do corpo e depois faça muitas cócegas após apontar.

REFORCE o abanar a cabeça com as palavras “sim” e “não”.

UTILIZE as palmas com emoção e utilize o “mais cinco” com a sua criança, ao celebrar.

USE os gestos de acenar, ao dizer “olá” ou “adeus”.

EXAGERE nos movimentos e expressões para poder chamar a atenção da sua criança e motivá-la, mais tarde, a utilizar também.

UTILIZE antecipadamente estas estratégias com o seu companheiro/a, outras crianças ou pessoas que morem consigo, para a criança começar a ficar familiarizada com essas comunicações não-verbais e observá-las.

CELEBRE quando a sua criança apontar sozinha ou realizar um pequeno som ou utilizar a palavra e vá rapidamente buscar o que ela pretende. Assim, demonstrará que a comunicação é a chave para a criança conseguir o que quer.

Ao demonstrar que usar gestos é bom e é também uma chave para a comunicação, está a inspirar a sua criança a interagir consigo e com o mundo.

2. Faça brincadeiras criativas

Seja criativo ao tentar motivar a sua criança. Deixamos aqui um exemplo super divertido para incentivar a sua criança a apontar. Passamos a explicar o mesmo detalhadamente.

Crie um braço gigante em cartão e comece a utilizá-lo da seguinte forma:

PASSO 1

→ Exemplo 1: Criança olha para brinquedo → Adulto usa braço gigante para apontar para o brinquedo e afirma: “queres o brinquedo?” → Adulto dá o brinquedo pretendido à criança.

→ Exemplo 2: Criança olha e diz: “brinquedo” → Adulto usa braço gigante para apontar para o brinquedo e reforça a comunicação verbal da criança: “Ah sim, queres o brinquedo?”  → Adulto dá brinquedo pretendido à criança.

PASSO 2

→ Criança olha para brinquedo → Adulto oferece braço gigante à criança e afirma: “eu dou-te o que queres, é só apontares!” → Criança utiliza o braço gigante e adulto rapidamente vai buscar o pretendido da criança.

PASSO 3

→ Adulto mostra à criança como se aponta com o seu braço, ao lado do braço gigante → Adulto incentiva criança a imitar o braço gigante e o seu braço

PASSO 4

Criança olha / pede brinquedo → Adulto utiliza braço gigante ao mesmo tempo que utiliza o seu próprio braço a apontar para o brinquedo →  Incentiva a criança a utilizar o seu braço para apontar também “aponta com o teu braço, eu dou-te o que queres!” → Criança aponta com o seu braço e adulto vai buscar rapidamente o pretendido da criança.

Podem também utilizar o braço gigante e apontar para diferentes partes do corpo da criança e depois fazer cócegas nos sítios apontados. Vão criar uma brincadeira muito divertida!

Este é apenas um exemplo de como se pode motivar a nossa criança a apontar e a utilizar (também) a comunicação não-verbal. Pode fazer o mesmo com expressões, outros gestos como o acenar, bater palmas, “mais cinco”… Ao exagerar e ser criativo ao demonstrar como se usa a comunicação não-verbal, estará a captar, mais facilmente, a atenção da sua criança.

3. Invista na conexão 

Todos os seus esforços são sempre válidos, seja para o aprofundamento da comunicação verbal da sua criança, seja para a não-verbal. Mas lembre-se, é importante investir também na conexão com a sua criança, seja com o “juntar-se”, seja com brincadeiras livres ou cócegas.

4. Acredite! 

A comunicação não-verbal é muito importante para o desenvolvimento da interação da sua criança consigo e com os outros. Por vezes, estamos tão focados a tentar que a nossa criança fale que nos esquecemos e ignoramos a comunicação não-verbal, que também é válida e pode ser uma ferramenta, mais tarde, para incentivar a sua criança a utilizar a verbalização.

Mais tarde, lembre-se e saiba que a utilização dos dois aliados (comunicação verbal com a não-verbal) será o ideal para que a sua criança consiga se expressar e socializar com todos.