Como estimular a sua criatividade para ajudar a sua criança

Antes de mais é muito importante que tenhamos presente esta ideia: Todos nós temos criatividade e todos nós temos a capacidade de desenvolver esta área. 

 

A criatividade é uma atitude, é saber que o que temos para oferecer às nossas crianças é bonito, divertido e interessante. Acreditar na nossa criatividade é o primeiro passo. Comece a dar paixão às suas ideias em vez de julgamentos, possibilite que as suas ideias ganhem asas e não fiquem somente pelo papel. 

A maior parte dos pais e cuidadores sente a dificuldade de criar e inventar jogos para as suas crianças. Muitos sentem que não têm essa capacidade mas chegou a hora de se desafiarem, de colocarem as mãos na massa e acreditar que também são capazes. Todos os dias pedimos às nossas crianças que se desafiem, que saiam da sua zona de conforto e ultrapassem as suas dificuldades. E agora chegou o momento de fazermos o mesmo connosco próprios! 

A boa notícia é que todos nós somos criativos mas algumas pessoas podem ainda não o saber. Pare de dizer a si mesmo que não é capaz e comece simplesmente a fazer. Quanto mais praticamos a nossa criatividade mais a estimulamos e desenvolvemos, e mais rapidamente surgem ideias novas. Vamos começar a dar oportunidade ao nosso cérebro de fazer o seu trabalho e da mesma forma que vos incentivamos a acreditar nas vossas crianças, hoje incentivamos-nos a acreditem também em vocês – sem julgamentos, nem pressões. 

As coisas simples são as que geralmente mas facilmente cativam a atenção das nossas crianças e na maior parte das vezes nem precisamos de recorrer a muitos materiais ou atividades muito elaboradas. 

Partilhamos de seguida algumas ideias de jogos simples que podem fazer com materiais que geralmente toda a gente tem:

  1.Caixas de cartão

Este tipo de material é ótimo para pensar em atividades com as nossas crianças pois com ele podemos fazer imensas coisas! A nossa caixa de cartão pode ser um barco, em que nos sentamos dentro e remamos de lado. Pode ser um carro ou autocarro, onde desenhamos rodas e puxamos a nossa criança. Pode ser um cesto para encestarmos a nossa bola e ver quem ganha mais pontos. Podemos ainda fazer túneis, janelas, construções… tanta coisa gira! Pode ser um tambor, pode ser um chapéu que colocamos na cabeça e com o qual fazemos macacadas e “caímos” porque não vemos nada à frente. Pode ser um submarino, onde recortamos duas janelas à frente para conseguir ver e saber para que lado ir… Se a nossa criança adora estímulos visuais como ver coisas a cair, podemos encher o caixote com peluches, confettis, bocados de papel e virar ao contrário para lhe dar esse estímulo, etc. 

  2. Balões – excelentes para crianças que adorem jogos com antecipação! 

Podemos encher os balões devagarinho e depois largá-los para os ver a voar pela sala. Se a sua criança gosta de letras e/ou números ou ainda desenhos, pode desenhar no balão e convidar a vossa criança a ver esses desenhos crescer. Podemos fazer o jogo da batata quente, em que cada têm de passar o balão um ao outro sem deixar cair. Podemos ver quem aguenta mais tempo com o balão no ar sem o deixar cair e fazer uma competição de balões com pontos e troféus, etc.

  3. Rolos de cozinha.

Podem ser telescópios com o qual observamos as estrelas coladas no teto. Podem ser binóculos que levamos para as nossas super aventuras na “selva” ou no “mar”. Se a vossa criança gosta de sensações físicas suaves, podem soprar para o seu pescoço através do rolo ou se a vossa criança gosta de murmúrios podem sussurrar aos seus ouvidos. Podemos fazer um telefone, com um fio que ligue de um lado ao outro ou ainda um microfone que usamos para dar grandes concertos, etc etc. 

 

A ideia é esta – usar coisas simples e torná-las divertidas. Comecem a fazer este exercício em casa. Peguem em objetos simples do dia-a-dia (ex: garrafa de água, caneta, lápis…) e pensem que outras funções lhes poderiam dar para além da função habitual. Estimulem e puxem pela vossa criatividade, vão ver que poderão sair surpreendidos!

A questão é sempre a mesma: a nossa atitude. Não é tanto o que levamos mas a forma como o apresentamos. Todos nós já tivemos crianças a rejeitar as nossas atividades e está tudo bem. Acredite na sua brincadeira e apresente-a à sua criança como sendo a melhor do mundo! Apresente a brincadeira sem pressão e com toda a energia e entusiasmo que tiver no momento. Se a sua criança não aceitar, não há problema. Tente mais tarde e apresente a mesma brincadeira mas de forma diferente. Inclua nela as principais motivações da sua criança e respeite os tempos de disponibilidade. Quando a sua criança estiver conectada consigo, este é o momento de entrar em ação!