Como esticar a flexibilidade da minha criança

A área da flexibilidade está muito relacionada com a necessidade de controlo para as nossas crianças conseguirem algum conforto sobre o mundo à sua volta que é muito imprevisível e que pouco conseguem controlar. Quando estamos numa situação em que não temos controlo, muitas vezes não entendemos o que está acontecer e temos demasiado inputs para processar, reagimos de uma forma muito particular. Temos tendência a ser mais resistentes, menos flexíveis e não tão abertos ao que está acontecer – ativamos os nossos mecanismos de defesa. E no autismo funciona exatamente da mesma forma, mas de uma forma bem mais intensa. Quando as pessoas dentro do espectro parecem estar a ser resistentes, rígidas, controladoras – estão a fazer o mesmo. Estão a tentar-se proteger de um ambiente que não controlam e no qual não encontram conforto e segurança. Contudo a flexibilidade é um músculo que também se trabalha e nesse sentido partilhamos algumas dicas para trabalhar esta área e esticar a flexibilidade da vossa criança: 

 

Ofereça pequenas variações nas coisas que a sua criança já faz.

Numa fase inicial, pense em variações que não mudem o foco de interesse da sua criança ou aquilo que está a fazer. Pode por exemplo cantar uma música quando se estão a vestir, fazer uma dança quando chega a hora do pequeno almoço ou dos desenhos animados, etc. Ou seja, a ideia é adicionar elementos novos mas que numa primeira fase não mudem a 100% o que está a acontecer, apenas acrescentem algo à situação. Pode começar por introduzir variações que estejam relacionadas com coisas que gosta, assim será mais fácil para ela aceitar essas pequenas “mudanças” na rotina dela. À medida que vai aceitando essas pequenas variações, pode ir aumentando as variações e tentar por exemplo mudar a ordem das coisas, mas numa fase em que sinta que a sua criança está mais aberta e flexível a isso. 

 

Seja super flexível e responsiva à sua criança. 

Se por exemplo está numa brincadeira com ela e ela quer todos os brinquedos ou rouba os seus, deixe-a fazer. Se ela lhe diz de forma clara que não quer que faça algo ou não quer que toque em algo – dê-lhe controlo e não o faça. Se ela quer brincar com os carros durante uma hora, então junte-se a ela e brinque com os carros durante uma hora. Isto irá ajudar a construir confiança e a deixar a sua criança também mais relaxada.

 

Use explicações e dê previsibilidade se houver alguma alteração na rotina ou se irá acontecer algo diferente nesse dia. 

Explique de forma simples e clara porquê. Por exemplo imagine que hoje a sua criança tem uma consulta no dentista. Dê-lhe essa previsibilidade com tempo. Pode fazer um calendário – recorrer a estímulos visuais ou auditivos para ajudá-la a assimilar o que irá acontecer.

 

Não tenha receio de cometer “erros”. 

Se a sua criança está a conduzir a atividade e faz-o sempre da mesma forma, passado algum momento de estar com ela em interação cometa um “erro” simples. Por exemplo quando se ela lhe pede para fazer algo de uma certa forma, engane-se a fazer e faça de forma diferente. Se ela a chamar a atenção explique “Ops fiz de uma forma diferente! Mas também é engraçado fazer de forma diferente”.

 

Se algum imprevisto acontecer e a sua criança ficar agitada com isso, reaja de forma “tonta” e engraçada. 

Geralmente quando algo acontece fora da zona de conforto da nossa criança, temos tendência a nós próprios ficarmos desconfortáveis ou ansiosos com a situação, pois podemos prever como a nossa criança irá reagir. Por exemplo, se a sua criança está habituada a jantar sempre à mesma hora mas desta vez têm de jantar mais cedo podem fazer uma brincadeira com isso. Por exemplo, meter as mãos à cabeça e dizer “Oh a hora do jantar chegou mais cedo” e podem começar a ir em slow motion para a mesa de jantar e recorrer a expressões faciais mais engraçadas e exageradas. Pense naquilo que a sua criança gosta e a poderia ajudar a aceitar mais facilmente a mudança de situação. 

 

Mais dicas…

Quando a sua criança está numa atividade e em interação consigo e quer trabalhar a parte da flexibilidade, pode colocar algumas perguntas ou fazer alguns comentários para esticar a sua flexibilidade. Tais como: 

 

“Oh meu deus, tens de experimentar o meu jogo! É tão engraçado e divertido!”

“Tive uma ideia incrível! Vamos ver como é fazer esta brincadeira espetacular de forma diferente!”

“Estacionar o teu carro nesse lugar é espetacular! Vamos tentar estacioná-lo neste lugar também!”

“Yeah! Eu sei que adoras a peça azul! Desta vez podemos tentar algo diferente! Que outro peça gostarias de escolher?”

 

Falamos nisto várias vezes, mas a atitude também é muito importante. Pense que sempre que a sua criança recusar algo que está a propor ou várias coisas, nada tem a ver consigo ou com a capacidade dela de fazer ou não a tarefa, apenas ainda não é o timing certo. Mas acredite que ele chegará!