Comportamentos desafiantes com o intuito de provocar reações

As crianças crescem a interagir com o mundo à sua volta. Numa fase inicial do desenvolvimento, tudo para elas é novo e o seu papel é explorarem e aprenderem sobre o mundo que as rodeia. A sua criança está em fase de aprendizagem e está na fase de descobrir e tomar consciências dos seus próprios atos e de agir/reagir de acordo determinadas situações. Com esta vontade e curiosidade maravilhosa que acompanha as nossas crianças, vem também a parte das nossas crianças nos “desafiarem” para perceber quais os limites e até onde podem ir. É perfeitamente normal e é um processo natural que faz parte da aprendizagem de qualquer ser humano. Muitas vezes temos de testar, passar por experiências para saber e aprender de acordo com elas. 

Os comportamentos desafiantes, quando vêm com o intuito de provocar alguma reação no outro ou de nos “desafiar” de alguma forma, está aliado ao facto das nossas crianças também quererem aprender mais sobre nós. Ou seja, explorar as nossas reações aos seus comportamentos. O que será que acontece se atirar água ao chão, se atirar um brinquedo, se se colocar à nossa frente enquanto vemos televisão? Será que acontece algo divertido? A verdade é que muitas vezes as nossas reações a este tipo de comportamentos, pode ser efetivamente muito divertido para as nossas crianças, pois acabamos por exagerar nas nossas expressões faciais e corporais e isso pode ser muito engraçado de ver. Todos nós temos aquele amigo que adoramos chatear, simplesmente porque achamos imensa piada à forma como reage quando o chateamos com algo. E com as nossas crianças passa-se exactamente o mesmo. Todos nós tivemos uma fase na nossa infância mais desafiadora, em que testamos os limites dos nossos pais ou até professores e educadores. Quando estamos chateados/irritados, ficamos mais agitados, com os cabelos em pé, o nosso tom de voz muda, ficamos vermelhos, etc. É como o desenho animado do Tom and Jerry, em que nós somos o Tom e as nossas crianças o Jerry 🙂 

Desafiamos porque é divertido, tão simples quanto isso. Podemos ter reações completamente desproporcionais em relação a alguns comportamentos das nossas crianças e como explicado em cima, isso pode ser muito interessante de ver. 

Para além disso, o provocar o outro e obter uma reação dá uma sensação de poder e controlo. As crianças começam-se a aperceber que determinado comportamento da sua parte, provoca determinado reação no outro. Tornamo-nos previsíveis e nós sabemos o quanto as nossas crianças adoram a previsibilidade 🙂 

Muitas vezes, também pode ser uma forma de interação. Sabemos que as nossas crianças têm vários desafios nesta área e muitas vezes esta pode ser a forma de chamar a nossa atenção, porque a verdade, é que quando estes comportamentos acontecem, o nosso foco está inteiramente nelas. Portanto, em alguns casos, poderá ser uma tentativa de interação, não sabendo eles uma melhor forma de conseguir a nossa atenção. Esta questão também nos remete para algo muito interessante – quando a criança tem este tipo de comportamento, também é um sinal que está mais alerta e atenta ao mundo ao seu redor e é uma excelente oportunidade para desenvolver as suas competências. 

Desafiar pode ainda ser um sinal de que a nossa criança está aborrecida e não tem nada melhor para fazer, do que efetivamente desafiar. Geralmente quando as crianças aumentam o grau de desafio, pode ser um sinal de que estão a receber pouco estímulo, que estão estagnadas e precisam de novos estímulos e inputs. 

 Estes comportamentos de provocar podem ser vários e manifestarem-se de várias formas, desde atirar coisas, desenhar nas paredes em vez de no papel, gritar, falar de um tópico que estamos constantemente a pedir para não falarem, dizer palavrões, etc. De forma resumida, são geralmente coisas que não queremos que elas façam.

Contudo, estes comportamentos podem acontecer e a criança não ter qualquer intenção de provocar mas ter outra motivação para o fazer. As nossas crianças têm motivações e interesses muito interessantes e pode acontecer que a sua criança faça alguma destas atividades/comportamentos, sem ter propriamente o interesse de desafiar, mas simplesmente pode estar a fazê-lo por ser algo que acha muito interessante e irresistível. A chave como sempre é entender e perceber onde está a motivação da sua criança em fazer determinada coisa. Quando o comportamento desafiante tem o objetivo de desafiar para criar reação no outro, a atenção da criança está em nós e existem alguns sinais que nos permitem perceber se esse é o caso. Quando esses comportamentos acontecerem, analise estas questões:

  1. A criança olha para si logo a seguir a ter o comportamento?
  2. A criança comunica-lhe o que acabou de fazer?
  3. Sorri ou ri-se da sua reação?
  4. Repete de imediato aquilo que lhe pedir que não faça sustentando um contacto visual?

Se respondeu sim a estas questões, então muito provavelmente a motivação da criança em desafiar está em si. Mas não se preocupe! Nós trazemos a solução! 

Diminua as suas reações a estes comportamentos, tão simples quanto isto. Se as nossas crianças nos desafiam para obter uma reação mais exagerada, tente optar por ter uma expressão neutra, quase como se nada estivesse a acontecer. Mude a sua reação e fique tranquilo com a situação. As nossas crianças são muito boas a perceber quando estamos enervados ou desconfortáveis com algo, por isso é muito importante que encontre esse lugar de calma interior e que procure não reagir por impulso ao que a criança estiver a fazer. Tente fazer uma atividade que o aclame como pintar numa folha, cantarolar baixinho, etc. A nossa reação exterior é muito importante mas os nossos pensamentos e sentimentos interiores também. Lembrem-se, as nossas crianças são extremamente sensíveis e conseguem captar tudo. 

Deixamos um exemplo prático: 

Se a sua criança gosta de desafiar deitando água para o chão, não dê ao facto nenhuma atenção. Não reconheça nem verbal nem fisicamente que o facto de ela ter deitado água para o chão tem importância para si. Se estiverem a jogar juntos um jogo, continue com o jogo. Se estiverem a conversar, continue a conversa. Se estiverem envolvidos em alguma actividade, continuem com essa actividade. Mostre-lhe que entornar água para o chão não o afecta emocionalmente. Espere uns minutos antes de limpar o chão. Pode  limpar a água, ou até pode pedir à sua criança que o faça. Se a sua criança estiver a falar consigo sobre um assunto que já antes tinha achado desafiante, responda às perguntas dela sobre o tema de uma forma calma e ligeira.

Boas aventuras com as vossas crianças e aproveitem estas oportunidades para lhes ensinar novas competências! 🙂