Como lidar com as birras da minha criança?

Quando a nossa criança chora, faz birra ou grita, está a fazer o seu melhor para tentar comunicar. Muitas vezes o desafio é entendermos o que a nossa criança pretende comunicar nesses momentos em que a sua comunicação é difícil de entender. 

Na maior parte das vezes, a forma como respondemos a este tipo de comunicação influencia bastante o aumento ou diminuição das birras. E é nesse sentido que criámos o artigo de hoje! Se quer ajudar a sua criança a se comunicar de uma forma mais eficaz, continue a ler.

Na maioria das vezes, as nossas crianças usam este tipo de comunicação porque lhe é útil de alguma forma. Talvez a nossa criança tenha aprendido que esta é a melhor forma de conseguir o que quer – porque respondemos de forma muito eficaz ao choro. De qualquer das formas, o importante é entender porque a nossa criança usa esse tipo de comunicação connosco. Qual o padrão? O que acontece antes? O que acontece durante a birra? O que acontece depois? 

Entender o que origina a birra ajuda bastante para 1. Estarmos preparados para essas situações e 2. Podermos antever e até evitar que a birra aconteça. 

Outro aspecto fundamental a analisar nestas situações, é pensarmos como nós nos sentimos nesses momentos? Sentimo-nos tranquilos e ok com uma criança a chorar ou isso provoca em nós um certo desconforto? Algumas pessoas até podem-se sentir responsáveis pelo facto de a criança estar triste e podem sentir um sentimento de culpa. Outras pessoas podem até pensar que deixar a criança chorar pode-lhe fazer mal e por isso fazemos tudo o que está ao seu alcance para a criança não chorar. 

O facto de reagirmos e respondermos quando a criança chora (dando-lhe por exemplo algo que elas querem) é que com isto aprendem, que chorar é uma forma efectiva de comunicar  o que querem e o que não querem e que se chorarem conseguem mover o “mundo” para terem tudo que querem.

Como falado no início do artigo, o choro da criança é uma forma de comunicação. As crianças choram porque nos estão a tentar dizer algo. Não significa que estejam tristes ou zangadas. Significa apenas que nos querem dizer algo. Quando reagimos e respondemos ao choro, estamos a dizer à criança que esta é uma forma de comunicar com os outros. Mas a verdade é que queremos ajudar as nossas crianças a entender que chorar não é a forma mais efectiva de comunicar. 

Nesse sentido, é fundamental nestes momentos termos presentes esta ideia: “quando a criança chora está apenas a comunicar algo”. É importante que tenhamos uma atitude calma e que transmitimos amor. Quando nos sentimos confortáveis, a criança sente-se segura e protegida, o que leva a que também se acalme.

Desta forma, no momento da birra, é importante manter a calma. Mostrar à criança que estamos tranquilos para lhe conseguir passar alguma tranquilidade. É muito importante nesses momentos sermos verdadeiros exemplos de comunicação e explicar-lhe com toda a calma e amor do mundo, que ao gritar / chorar / berrar… temos muita dificuldade em entender o que nos está a tentar dizer. 

A criança pode estar a chorar ou a fazer birra por ter decidido não lhe dar uma determinada coisa (mais bolachas, não o deixar sair por estar a chover, usar o computador ou ver TV, etc.). Nesta situação, deve mais uma vez manter a calma e não se apressar, explicando-lhe que mesmo que chore ou faça birra não vai conseguir o que quer. Explique isto de uma maneira suave e simpática e não zangada ou frustrada. Apresente-lhe calmamente alternativas (por exemplo, ofereça-lhe um bocado de fruta em vez de uma bolacha, etc). Se a criança continuar a chorar, diga-lhe que não faz mal, se quiser continuar a chorar e depois vá fazer outra coisa qualquer (ler um livro, lavar a louça, etc.) e deixe-a a chorar, sempre de olho nela para garantir que não se magoa nem a ninguém que esteja por perto. Lembre-se que a sua criança não é frágil, aguenta bem quando não consegue algo que quer. Além do mais, você também não é frágil, consegue aguentar vê-la chorar e gritar 🙂

Se a sua criança não chora nem faz birra quando não lhe dá o que ela quer, celebre este facto, dizendo-lhe como é maravilhoso ela estar calma. Festeje e responda rapidamente sempre que ela usar a sua voz normal. Desta forma, mostra à sua criança o contraste entre os dois tipos de comunicação, ajudando a sua criança a perceber qual a forma de comunicar mais eficaz.